O bicho vegano

Existem veganos culturistas, veganos workaholics, veganos com obsessão compulsiva, veganos infiéis, veganos malcriados, veganos alcoólicos, veganos assexuados, veganos que meditam no Tibete, veganos contabilistas, veganos padres, veganos que correm maratonas na Austrália, veganos que cospem no chão, veganos que têm tara por pés, veganos que sofrem bullying na escola, veganos optimistas, veganos pessimistas, veganos revoltados e veganos sossegados, existem veganos de estilos, gostos, nacionalidades e vivências variadíssimas. Ao contrário do que se costuma apregoar por aí, isto não é tudo um pacote de gente, que só por abster-se de consumir animais e de participar em qualquer tipo de exploração destes, é igual.

Fala-se muito na suposta mania de superioridade dos veganos. Concluem que estes têm a mania de ser superiores, só porque condenam o acto de se causar sofrimento a um animal, seja num circo, seja num laboratório, seja numa cozinha, só porque realmente fazem algo em relação a isso e tentam incentivar os outros a fazer o mesmo (bem, muitas vezes, mesmo calados, só pelo facto de existirem, já são acusados de se acharem superiores, acreditem!). Compreendam: dizer que o acto de se deixar de comer animais é eticamente superior ao acto de os comer, não é uma questão de endeusar a pessoa que é vegana, mas apenas admitir a superioridade do acto de se abster de explorar de animais. Não explorar criaturas, dum ponto de vista evolutivo, é superior ao acto de espancar, esfolar e espetar farpas nelas. Certo? Concordam que, deixar um animal correr solto e feliz, é mais positivo do que vê-lo jorrar sangue e espernear? Conseguem perceber que há superioridade no veganismo nesse sentido, mas isso NÃO significa que a pessoa vegana seja superior à não vegana.

Porque há tanta sensibilidade da parte de tantos que comem animais, quando ouvem alguém simplesmente dizer “tornei-me vegetariano”? Porque atacam? Porque ridicularizam? Porque tentam encontrar 1001 argumentos para rebaixar aquela decisão? Se não vos incomoda, porque reagem? Se acham que comer animais ou assistir à tourada, é positivo, para que perdem tempo à procura de algo que desvirtue o veganismo? Entendam, podem existir veganos agressivos, veganos que gritam “adorei quando o toureiro morreu”, mas isso não significa que é o veganismo que está errado. O veganismo, o acto de se abster de causar dor aos animais, está correcto, mas as pessoas que o defendem, são de muitas cores, credos e partidos. Não tentem fazer ruir algo, que por si só, é belo e evoluído, tentando criar essa falsa ideia de que o bicho vegano é assim ou assado. Não é. Somos bichos, somos, todos diferentes, com uma causa em comum!

Eu sou vegana. Não sou perfeita, não sou santa, cometo erros (imensos!), sou injusta, sou muitas coisas, mas há passos que dou, que sei que são bem dados, e o veganismo é um deles. Por mais que possa esmiuçar tudo o resto que faço ou deixo de fazer na minha vida, o veganismo é uma certeza: é paz, é compaixão, é evolução.

 

 

 

 

 

Anúncios

4 comments

  1. Olá Barbara.
    O texto está interessante e quase perfeito. E este quase, prende-se com a minha incapacidade de compreender porque afirma que, ser vegan é se evoluido. Sinceramente, essa parte eu não consigo compreender.

    Cumprimentos

    Gostar

Grata pelo feedback

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s